Como passar no concurso da Polícia Federal? Veja 5 dicas práticas!

Tempo de leitura: 6 minutos

 

Como passar no concurso da Polícia Federal? Essa é uma pergunta parece impossível de responder, mas aqui vamos te ajudar! Muitos concurseiros estão cheios de atenção ao edital do Concurso Polícia Federal que será lançado em 2018. São 500 oportunidades e para cargos variados, como agente, escrivão e também delegado, dentre outros. Diversos interessados estavam esperando por uma definição sobre quando esse concurso público vai ocorrer e ela já existe: o Diário Oficial da União decretou que esse concurso tem até seis meses para ser liberado.

Como a portaria que determinou isso é do dia 20 de abril, o prazo máximo para que a Polícia Federal esteja com o edital pronto é 20 de outubro. Por existir essa garantia, até com um prazo para as pessoas acompanharem, a melhor recomendação é que os concurseiros não demorem a iniciar os seus estudos: vale a pena utilizar-se desses meses para fazer um bom cronograma e abranger todas as disciplinas do edital.

Entretanto, não é simplesmente ler algum texto sobre o que o concurso pede: existem certas técnicas para que as pessoas aproveitem mesmo os seus estudos e fiquem com o conteúdo gravado em sua cabeça.

Na realidade, diversas pessoas acabam por não serem aprovadas exatamente porque desconhecem como deveriam estruturar os seus estudos e é isso que essas 5 dicas práticas vão ensinar para você que pretende prestar a prova para agente da Polícia Federal!.

 

Acesse agora nossas melhores dicas sobre Como Passar no Concurso da Polícia Federal!

1 – Dias específicos para cada disciplina

 

O edital terá várias matérias e o concurseiro precisará de certa organização para estudar todos eles e para entendê-los. Quando as pessoas simplesmente escolhem algum conteúdo dentre o cronograma e lê, passando para outro sem nenhum planejamento, é mais possível que elas fiquem confusas e que algum tema seja esquecido.

O melhor é que o concurseiro coloque todos os conteúdos em um documento do Word ou até em um caderno, distribuídos por disciplina. Fazendo isso, ele conta quanto tempo existe até a prova e faz um cronograma: na segunda-feira, por exemplo, é o dia de se estudar a disciplina X.

Quando estiver mais perto da data da prova, mais ou menos um mês antes, esse concurseiro revê quantos assuntos ainda estão faltando e faz um cronograma mais detalhado: no dia 14/11, por exemplo, ele vai estudar três tópicos determinados e assim por diante. A maioria das bancas organizadoras sempre utiliza todo o assunto que o conteúdo programático traz e, com isso, é fundamental que se tenha organização suficiente para estudar tudo.

2 – Utilizar provas de outros concursos

 

Apesar de o concurso público ter uma funcionalidade diferente do vestibular e de os seus conteúdos serem diferentes, a estrutura geral da prova é bem parecida e é por isso que a noção de “simulado” precisa estar presente para os concurseiros também.

Isso quer dizer que essas pessoas precisam realizar simulados e o melhor modo é usar as provas de outros concursos. O parâmetro deve ser: prova da mesma banca, preferencialmente, e prova para o mesmo cargo. É claro que é um pouco difícil achar, dependendo de qual seja a banca ou a função; dessa maneira, serve se a pessoa fizer ao menos as questões da mesma disciplina.

Um cuidado adicional é evitar utilizar as perguntas de muitos anos atrás: entre fazer o simulado com uma prova que foi em 2010 e outra que foi em 2000, a preferência deve ser pela primeira. É verdade que os conteúdos continuam sendo iguais, a não ser a legislação, que pode ter atualização, e a Ortografia. Porém, as bancas mudam a sua maneira de tratar as matérias e, consequentemente, o seu modo de elaborar a prova.

3 – Relaxar

 

É compreensível que as pessoas que estão se preparando para o concurso não queiram “perder tempo” com descanso. Para elas, quanto mais elas descansam, menos matérias estão estudando e menores ficam as probabilidades de serem aprovadas, mas isso não é a realidade.

O cérebro das pessoas precisa de descanso para reter todas as matérias que são estudadas e, além disso, a própria parte emocional do concurseiro tem de ser tratada. É comprovado que aqueles que ficam muito estressados ou sob pressão demais têm menos rendimento e é por isso que ter um momento para relaxar é vital.

A indicação é que as pessoas relaxam diariamente por uma hora ou por meia, mas com alguma atividade que traga prazer real: pode ser assistir a algum episódio de série, pode ser cozinhar, pode ser conversar com a família, etc. Além disso, é preciso um dia todo para que esse concurseiro descanse: o domingo, por exemplo.

É importante que esse descanso seja de verdade e que a pessoa não fique se culpando por estar “de folga”: se ela estudar regularmente durante a semana, não haverá qualquer prejuízo e nem razão para culpa.

 

4 – Objetivo

 

Encarar as coisas como um objetivo é a melhor maneira de se conseguir realiza-las e isso é aplicado aos concursos públicos também. Se o concurseiro o vir apenas como uma coisa comum, sem tanta importância, é quase certo que será reprovado. Quem vai fazer o concurso da Polícia Federal tem de visualizar isso como o seu objetivo a curto prazo e ter foco.

Esse conceito é para todos os concursos, mas é impossível não o reforçar quando se trata da PF por causa da quantidade de concorrentes: até para agente, que são 180 oportunidades, haverá muita dificuldade.

5 – Material atualizado

 

Os concurseiros têm à disposição uma gama variada de materiais para a sua preparação: existem questões, existem videoaulas e muitos tipos de apostilas.

É normal que eles queiram usar o máximo desses materiais, mas é preciso fazer uma análise deles antes de começar os estudos. Iniciando pelas apostilas: elas precisam ser as mais atuais o possível. Primeiro, porque alguns assuntos têm atualização, sendo as regras ortográficas um dos melhores exemplos.

Se a pessoa estuda com uma apostila de dez anos atrás, não vai aprender as novas regras de acentuação e isso vai estar no concurso. Outro assunto que sempre passa por alguma atualização é “lei”. Mais uma razão para que os materiais de estudo sejam apenas os atualizados é a revisão da editora: ela própria faz correções e inclui tópicos.

 

A nossa dica final para você ser aprovado nesse concurso da Polícia Federal 2018 é o curso online do Gran Cursos.

Lá você terá acesso a um material de qualidade e 100% atualizado com o edital. Você ainda conta com a garantia de 30 dias em qualquer curso! Clique no link abaixo para conhecer o curso da PF:

>>> Curso PF 2018 Gran Cursos Online <<<

Como passar no concurso da Polícia Federal? Veja 5 dicas práticas!
Avalie esse artigo!

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *